Desmatamento por empresa imobiliária prejudica Santarém

Publicado em 14/12/2012 - 12h19 | Atualizado em 14/12/2012 - 12h42

Manancial corre risco.
(reprod.)

Devastação ambiental provocada pela empresa Buriti Imóveis causa indignação em Santarém, no Pará. Organizações e movimentos sociais realizaram um abraço simbólico ao Lago do Juá, principal manancial ameaçado pelas obras.

A área de 150 hectares devastada foi dividida em 21 mil lotes, que começariam a ser vendidos nesta quinta-feira (13). No entanto, de acordo com informações da Rádio Rural, fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) embargaram o empreendimento.

Em manifesto, o Movimento em Defesa do Lago do Juá afirma que a retirada completa da vegetação do local foi feita sem a realização de um Estudo de Impacto Ambiental (EIA-RIMA). Ainda assim, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMMA) teria expedido a licença ambiental à empresa.

A intervenção leva perigo de assoreamento ao Lago do Juá, local de águas cristalinas e rico em peixes. As seis organizações que assinam o manifesto destacam que não são contra a criação de novos espaços habitacionais em Santarém, desde que estes respeitem a natureza.

Também denunciam que o equilíbrio ambiental na cidade tem sido violado por interesses econômicos. Entre 2010 e 2011, a área agora afetada pelo empreendimento imobiliário foi ocupada por famílias sem-teto para fins de moradia. Na ocasião, a prefeitura acionou a Justiça.

Segundo o documento, a polícia militar usou de balas de borracha e outros métodos violentos durante a remoção. A alegação para a retirada das famílias foi a de que o local  se trata de uma Área de Proteção Ambiental (APA).

Diante disso, os manifestante pediram que o Ministério Público responsabilize os envolvidos no empreendimento. E cobraram ainda agilidade do Ibama de forma a impedir mais danos ambientais nesta região do Pará. (pulsar)

Be Sociable, Share!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*