Jovem Guarani Kaiowá é assassinado por pistoleiros no Mato Grosso do Sul

Publicado em 19/02/2013 - 10h11 | Atualizado em 20/02/2013 - 15h54

Aldeia Tey’ikue, no município de Caarapó (MS), onde vivia o jovem assassinado (foto: tlc.org)

O adolescente indígena Kaiowá Denilson Barbosa, de 15 anos, morador da aldeia Tey’ikue, foi assassinado no último sábado (16) no município de Caarapó no Mato Grosso do Sul. O corpo do jovem foi encontrado no domingo (17) em uma estrada vicinal a sete quilômetros do perímetro urbano da cidade, com tiros na cabeça.

Segundo relatos de testemunhas, Denilson e outros dois indígenas estavam indo pescar  quando foram abordados por três pistoleiros ligados ao proprietário e arrendatário de uma fazenda vizinha à terra indígena de Caarapó. Os indígenas correram dos homens armados, mas Denilson acabou apreendido pelos pistoleiros e foi assassinado.

De acordo com informações do Centro Indigenista Missionário (Cimi), revoltados, os familiares e moradores da aldeia enterraram o corpo de Denilson na fazenda onde ocorreu o assassinato, uma área arrendada para a criação de gado e para o monocultivo de soja. A comunidade também planeja realizar uma série de protestos para denunciar a ação violenta.

Conforme o relato dos indígenas sobreviventes e as características da morte, os indícios apontam para execução. A polícia já iniciou as investigações, mas não quis dar detalhes sobre o caso. Segundo relatos, essa não foi a primeira vez que jagunços ligados ao fazendeiro atiraram contra os indígenas.

Aproximadamente cinco mil indígenas Guarani Kaiowá vivem confinados em 3 mil 594 hectares da Terra Indígena de Caarapó. Desde a criação do território indígena pelo Serviço de Proteção ao Índio (SPI), em 1924, a comunidade precisa pescar fora da área reservada, onde só há nascentes de córregos, mas não há peixes. Por isso, sofrem constantemente com pressões e ataques de fazendeiros. (pulsar)

Compartilhe:
  • Twitter
  • Print
  • email
  • Add to favorites
  • Facebook
  • del.icio.us
  • Google Bookmarks

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*