26 de jul2016

Grande Festa celebra 83 anos de Conceição do Coité

por deniseviola

Com quase setenta mil habitantes, Conceição do Coité celebrou entre os dias 01 e 07 de Julho, 83 anos de emancipação política.

Conta a tradição, que o arraial de Coité originou-se do pouso de tropeiros que se deslocavam de Feira de Santana rumo à Jacobina e que dividiam a jornada, descansando num local onde havia uma fonte que, mesmo no período da estiagem, jorrava.

Coite 1A água desta fonte era utilizada pelos tropeiros para consumo próprio e para matar a sede dos animais da tropa. Assim surgiu o arraial que tomara a denominação Coité, porque os tropeiros pernoitavam sob o abrigo de uma árvore, cujos frutos eram pequenas cabaças que, no idioma primitivo, recebiam o nome de ‘Cuite’ (pequena cuia). Serrada no meio, a cuia era utilizada pelas donas de casa.

O Arraial de Conceição do Coité teve implantados serviços cartoriais que eram conduzidos, no século XIX, pelo escrivão Raimundo Nonato do Couto, responsável pela lavratura de diversas escrituras de alforrias de negros libertos.

Na ocasião, para que o arraial fosse elevado à categoria de freguesia era necessária a doação de terras ao Santo padroeiro. Antigo morador da povoação e proprietário de muitas terras, João Benevides doou uma área onde está edificada a igreja de Nossa Senhora da Conceição e grande parte do município.

Pode-se afirmar, portanto que Conceição do Coité foi fundada pelo senhor João Benevides e família no dia 9 de maio de 1855.
Em 7 de julho de 1933, o município de Coité tornou-se autônomo, mas só a partir de 1º de março de 1966 tem a sua própria comarca e hoje o município hoje é destaque entre as cidades do Território do Sisal.

Com o tema “Coité de Todas as Artes, de todas as Cores e muitos Amores”, a semana da cultura teve concurso de dança, festival de quadrilha e sanfona, além de shows com artistas locais e de renome nacional, superando as expectativas de público e organização.
O fotógrafo coiteense realizou a exposição retratos da nossa história e o ex-secretário do Ministério das Comunicações, Emiliano José, lançou um livro sobre relação da imprensa com a política brasileira.

O encerramento dos festejos de 83 anos de emancipação aconteceu com uma multidão na Praça 8 de Dezembro se divertindo ao som de Siddy Ranks, Leo Santana e do coiteense Miquéias Almeida. Toda festa contou com a cobertura da Rádio Comunitária Coité FM.

28 de maio2013

Festival de teatro reune artistas e realiza espetáculos na periferia paulista

por pulsar brasil

Festival reune artistas na periferia paulista (foto:brasilatual)

Ocorre a partir de amanhã (29) a 8ª edição do Festival Nacional de Teatro do Campo Limpo (Festcal), na zona sul da capital paulista. Organizado pela Trupe Artemanha de Investigação Teatral, o festival reúne doze grupos de diferentes estados em espetáculos, oficinas e debates. Os artistas virão de São Paulo, Ceará, Rio Grande do Sul.

A curadora do festival Dêssa Souza explica que “a ideia é mostrar que as pessoas da periferia não têm de atravessar a cidade para ter e fazer arte” pois tudo que precisam já está lá. Neste ano, o evento ocupará ruas e espaços do Campo Limpo, do Capão Redondo e de Paraisópolis.

O grupo homenageado este ano pelo Festcal é o Movimento Escambo Livre de Rua, que reúne grupos de teatro e artistas populares de nove estados do país.

Junio Santos, integrante-fundador do Movimento Escambo afirma que o festival serve para mostrar que “o artista não precisa ir onde o povo está, porque o povo é o artista. A arte é um direito de todos”. O 8º Festival Nacional de Teatro de Campo Limpo terá como parte de sua programação a 3ª Revirada Cultural da Resistência, evento artístico-político que reúne coletivos artísticos em 36 horas ininterruptas de atividades.

A revirada marca dois anos de ocupação do Cita, espaço público que ficou abandonado por 16 meses e hoje é sede da Trupe Artemanha. A programação do festival e da revirada estão disponível no site da Trupe Artemanha. (pulsar/brasilatual)