7 de fev2017

CAMINHADA PELA DIVERSIDADE E LIBERDADE RELIGIOSA EM JUAZEIRO DO NORTE

por deniseviola

16105864_1273211352759399_8781966516759067440_n

Por Célia Rodrigues

A VIII Caminhada Pela Diversidade e Liberdade Religiosa que aconteceu em Juazeiro do Norte – CE, no final de janeiro, contou com a participação de Mulheres e Homens de Terreiros de cinco Nações de Religião de Matriz Africana representadas pelas linhas de: Candomblé, Umbanda e Jurema. Mulheres de redes e movimentos, mais uma vez levantaram a bandeira da laicidade do Estado e foram às ruas da cidade exigir o direito que está na Constituição Brasileira – Art. V p. VI.

A Caminhada anual objetiva um alerta severo de combate a intolerância religiosa e étnico-racial, pois o preconceito contra as religiões de matriz africana provoca intolerância e leva a atos de violência contra seus adeptos e adeptas.

Um documento foi assinado por todas e todos participantes e entregue aos poderes constituintes.

A finalização do evento deixou uma reflexão: Combater a Intolerância Religiosa promovendo uma Cultura de Paz!

16 de abr2013

Mapa da intolerância aponta para crescimento de grupos neonazistas; no Brasil, região sul concentra maioria

por Pulsar Brasil

O crescimento do número de simpatizantes neonazistas tem se tornado uma tendência internacional. É o que aponta um monitoramento da internet realizado pela antropóloga e pesquisadora da Unicamp, Adriana Dias.

De acordo com a pesquisa, de 2002 a 2009, o número de sites que veiculam informações de interesse neonazistas subiu 170%, saltando de sete mil e 600 para vinte mil 502. No mesmo período, os comentários em fóruns sobre o tema cresceram cerca de 42%.

Nas redes sociais, os dados são igualmente alarmantes. Apontam para existência de comunidades neonazistas, antissemitas, que se referem especificamente ao preconceito contra judeus e negacionistas, de grupos que negam a existência do holocausto, em 91% das 250 redes sociais analisadas pela antropóloga. E nos últimos nove anos, o número de blogs sobre o assunto cresceu mais de 550%.

De acordo com informações da Agência Brasil, Adriana Dias trabalha há onze anos mapeando grupos neonazistas dentro e fora da internet. No Brasil, segundo a pesquisadora, os grupos neonazistas eram predominantes no sul do país, mas nos últimos anos têm crescido cada vez mais no Distrito Federal, em Minas Gerais e em São Paulo.

Para mapear a quantidade dos que considera neonazistas, ela mapeia o número de internautas que fazem mais de 100 downloads de arquivos de sites sobre o tema. Por esse critério, seus dados de 2013 apontam que há aproximadamente 105 mil neonazistas na região Sul. No Rio Grande do Sul, foram encontrados 42 mil neonazistas. O estado com o maior número é Santa Catarina, com 45 mil. Em São Paulo, o número corresponde a 29 mil.

Em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais um skinhead identificado como Antônio Donato Baudson Peret, também conhecido como Donato di Mauro, enforcou um morador de rua negro com uma corrente. Ele postou uma foto da ação nas redes sociais na sexta-feira (12) e foi preso no último domingo (14). Peret será indiciado por apologia ao crime e formação de quadrilha. Ele ainda teria envolvimento em outros casos de violência contra negros e homossexuais. (pulsar)