14 de mar2013

Mobilizações pelo país marcam dia de luta contra barragens

por pulsar brasil

MAB reivindica política nacional para atingidos por hidrelétricas (foto: brasildefato)

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) realiza seminários, encontros e manifestações pelo país no marco do Dia Internacional de Luta contra as Barragens, pelos Rios, pela Água e pela Vida, celebrado nesta quinta-feira (14).

Entre as reivindicações, está a criação de uma política nacional voltada para as famílias afetadas por hidrelétricas. Em entrevista ao Instituto Humanos Unisinos (IHU), Luis Dalla Costa disse que cerca de 60 mil pessoas serão atingidas em decorrência do Plano Decenal de Energia do governo federal.

Ele, que compõe a coordenação do MAB, avalia que o “atual modelo energético não tem soberania, porque fica dependente e refém dos interesses privatistas”, promovendo impactos sociais, econômicas, culturais e ambientais.

De acordo com o MAB, somente no Paraná, a área alagada por construção de hidrelétricas consome cerca de 260 mil hectares, o suficiente para estabelecer todas as famílias cadastradas a espera de terras no estado. Lá, assim como em São Paulo, o movimento realiza nesta semana encontros estaduais.

Atingidos por Belo Monte também se mobilizam no Pará. O MAB denuncia que, enquanto o ritmo das obras da barragem está acelerado, a construção das mais de 5 mil e 300 casas para famílias que devem ser removidas ainda não começou.

Já na Bahia, cerca de mil atingidos pela barragem de Sobradinho ocuparam uma rodovia na madrugada desta quarta-feira (13). Há mais de 30 anos, famílias foram expulsas da beira do rio São Francisco e realocados para as áreas de seca. Uma das principais reivindicações é o direito a água.

Também foram realizados debates, assembleias e manifestações em Rondônia, Paraíba, Santa Catarina, Minas Gerais e no Rio Grande do Sul. O 14 de março é tidos como o dia de luta desde 1997, quando o Brasil sediou o 1º Encontro Internacional dos Atingidos por Barragens. (pulsar)