24 de ago2016

Apropriação Tecnológica no Quilombo do Curiaú

por deniseviola

Sol forte, calor úmido e o canto dos pássaros que rondavam a hortinha medicinal da escola José Bonifácio, no Quilombo do Curiaú, em Macapá, no Amapá, foi o cenário inicial do primeiro encontro do projeto Mídia dos Povos em 2016. O tema: apropriação tecnológica para rádio comunitárias e livres.  Os cerca de vinte inscritos, alguns moradores, outros vindos de outros estados, traziam muita curiosidade a respeito da dinâmica necessária para montar uma rádio na comunidade onde vivem, além da vontade de compartilhar suas próprias vivências.

Para ler mais: http://midiadospovos.amarcbrasil.org/

curiau

6 de mar2013

Comunidade Quilombo Rio dos Macacos ocupa sede da Advocacia Geral da União na Bahia

por pulsar brasil

quilombolas protestam em frente a sede da AGU, em Salvador (foto:NúcleoNegraZeferina)

Cerca de 400 manifestantes ocupam na manhã de hoje (6) a sede da Advocacia Geral da União (AGU) em Salvador e exigem a imediata suspensão do processo judicial aberto pela Marinha de Guerra do Brasil, que determina a expulsão da comunidade remanescente de quilombo Rio dos Macacos do seu território tradicional.

Os manifestantes exigem ainda que a AGU defenda os interesses da comunidade quilombola situada na região de Simões Filho, próximo a Salvador, conforme determina a Constituição Federal. Também informa que manterá a ocupação até que suas reivindicações sejam atendidas pelo órgão.

A Comunidade resiste no seu território desde 1900, tal como afirma o Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID) do INCRA. A Fundação Cultural Palmares ressaltou que mais que afirmação do Relatório, vale “o que está na memória viva da população quilombola que compreende seu território como espaço de vida, produção, cultura, religiosidade e luta”.

O conflito se arrasta desde a década de 70, quando foi criada a Base Naval de Aratu no território. De acordo com a comunidade quilombola, a Marinha do Brasil se instalou na região praticando todo tipo de violência contra mulheres, idosos, crianças e toda a comunidade. Hoje querem expulsá-los do local.

De acordo com o artigo 68 da Constituição Federal, as comunidades quilombolas tem direito aos territórios ocupados. Diante disso, a comunidade exige que a AGU aja junto ao Poder Judiciário, para que as Ações de Despejo sejam suspensas, até que o Governo Federal regularize o Território do Quilombo. (pulsar)

20 de dez2012

Quilombo baiano Rio dos Macacos sofre novo ataque armado

por pulsar brasil

Apenas um quilombo foi titulado em 2012.

Atiradores dispararam contra moradores do Quilombo Rio dos Macacos, localizado em Simões Filho, próximo à capital baiana Salvador. O ataque ocorreu na noite de terça-feira (18), não deixando feridos.

Os tiros foram na direção de pessoas que estavam próximas à residência de Seu Antônio Alexandria, ex-morador que faleceu de infarto em julho após ser ameaçado, junto com sua família, por integrantes da Marinha do Brasil.

A área do Quilombo Rio dos Macacos é disputada na Justiça pelos militares. O território tradicional foi doado ainda na década de 60 pela prefeitura de Salvador à Marinha. Atualmente, as cerca de 70 famílias quilombolas se encontram ameaçadas de despejo.

Para Rosemeire dos Santos, uma das lideranças do quilombo, o interesse pela terra não é só da Marinha, mas também dos governos da Bahia e federal. Na hora do ataque, ela se trancou em casa com a filha. Já o pai e os irmãos de Rosemeire se jogaram no mato para se proteger dos disparos. Por conta da escuridão, já que a comunidade não tem acesso à luz elétrica, nenhuma testemunha conseguiu dar pistas sobre os autores do ataque.

A exemplo do ano passado, apenas uma terra quilombola foi titulada pelo governo de Dilma Rousseff em 2012. De acordo com a Comissão Pró-Índio de São Paulo (CPI-SP), somente 6% das 3 mil comunidades quilombolas já identificadas no Brasil têm suas terras tituladas. (pulsar/brasildefato)